Urgência do HGO na primeira linha

Urgência do HGO na primeira linha

O presidente do Conselho de Administração do Hospital Garcia de Orta (HGO) garante que a unidade de Almada “tem capacidade para atender todas as pessoas” que chegam às urgências. O problema, diz Daniel Ferro, está na rede de cuidados de saúde que “não está bem organizada”, o que obriga a que alguns doentes sejam atendidos em Lisboa.

Mesmo assim, isto só acontece com 0,5 por cento dos utentes da área de influência do hospital de Almada que abrange toda a península de Setúbal, cerca de 800 mil pessoas. “Numa urgência com as características do HGO a capacidade de retenção não pode estar abaixo dos 95 por cento”. A nossa é de 99,5 por cento”.

Por isso Daniel Ferro não ficou surpreendido quando o ministro Paulo Macedo garantiu na Comissão Parlamentar de Saúde que a urgência do HGO não será despromovida. Ou seja, vai manter-se como urgência polivalente. Aliás, “o senhor ministro já me tinha informado pessoalmente desta decisão”, revela o presidente do conselho de administração ao Jornal da Região. O anúncio público do ministro “vem confirmar que não havia intenção política de desqualificar a urgência do hospital”, acrescenta.

Esta decisão de Paulo Macedo vem contrariar o relatório da Comissão de Reavaliação da Rede Nacional de Emergência e Urgência, divulgado na semana passada, que sugeria a reorganização da urgência polivalente do HGO passando-a para urgência médico-cirúrgica. E o mesmo estava previsto para os hospitais de Gaia e Évora que, segundo o ministro, também mantém as urgências polivalentes.

“Não compreendemos este estudo”, afirma Daniel Ferro, “apenas avaliou uma parte da questão”. Na sua opinião, caso este produzisse efeito, “seria um recuo de mais de 20 anos nas políticas de saúde”, uma vez que o hospital de Almada foi construído precisamente para evitar que as pessoas da margem sul tivessem de se deslocar às urgências dos hospitais de Lisboa.

Por outro lado, seria “uma frustração para os profissionais” do HGO. Os cerca de 200 internos “têm o objectivo de serem cada vez mais diferenciados”. E a nível profissional “são ambiciosos”, daí também a importância de exercerem numa unidade que assume a exigência de uma urgência polivalente. Agora Paulo Macedo terá vindo sossegar um sentimento de insegurança que a desqualificação das urgências iria acarretar.