Artemrede vai apresentar 24 projetos de diferentes áreas artísticas até junho

A estrutura Artemrede-Teatros Associados, constituída por 14 municípios, desde a adesão de Lisboa, este ano, conta apresentar 24 projetos, no próximo trimestre, em diferentes áreas artísticas, entre espetáculos, oficinas e atividades educativas, foi hoje divulgado.
 
Da programação de abril até julho, constam duas coproduções - “E agora nós”, de Rui Catalão, no âmbito do projeto “Odisseia”, e “Barlavento”, de Carla Galvão, Fernando Mota e Rui Rebelo -, quatro espetáculos de teatro, dois de música, um de dança, uma mostra multidisciplinar, oito espetáculos para crianças e jovens e, “pelo menos, oito atividades inseridas no projeto educativo”, segundo dados divulgados pela estrutura.
 
“Memórias partilhadas” é uma coprodução do Teatro do Montemuro e do Teatro Nacional D. Maria II, que se estreia no dia 09 de abril, no Cine-Teatro João d’Oliva Monteiro, em Alcobaça, subindo depois a cena em Sobral de Monte Agraço.
 
Segundo nota da Artemrede, este projeto cénico parte de “três histórias e três objetos – uma carteira, um lápis e uma almofada e intercala monólogos e pequenas cenas, num autêntico exercício de imaginação”.
 
No dia 16 de abril, estreia-se, no Auditório Municipal Augusto Cabrita, no Barreiro, a peça “Guarda Mundos”, pela companhia Teatro da Didascália. Esta peça estará também em cartaz no Montijo e em Sobral de Monte Agraço.
 
A peça, uma criação do encenador Bruno Martins, com Cláudia Berkeley e Luciano Amarelo, que também interpretam, “explora universos fantásticos através do jogo com peças de roupa, lençóis, peluches e cabides, e é uma viagem vertiginosa, recheada de personagens grotescas, num espetáculo acrobático, mágico e com uma forte componente visual”.
 
Na área da dança, em “Play false”, que se estreia no dia 30 de abril, em Sobral de Monte Agraço, António Cabrita e São Castro “vestem a pele de personagens shakespearianas”, um projeto que recebeu o prémio de Melhor Coreografia de 2015 da Sociedade Portuguesa de Autores
 
No dia 06 de maio, estreia-se no Fórum Cultural José Manuel Figueiredo, na Baixa da Banheira, no concelho da Moita, “E agora nós”, uma coprodução Artemrede, Teatro Maria Matos e Câmara Municipal da Moita.
 
Este é o primeiro a espetáculo integrado no projeto "Odisseia" desta estrutura, que o define como “um projeto artístico de intervenção social”, que envolve os municípios de Almada, Barreiro, Moita, Oeiras, Santarém e Sesimbra, e é cofinanciado pelo programa Práticas Artísticas de Inclusão Social (PARTIS), da Fundação Calouste Gulbenkian.
 
O espetáculo resulta de um convite estendido pelo artista Rui Catalão a três dos jovens que participaram na oficina de teatro 'Agora, Faz Tu!', promovida pela Artemrede, em 2015, com o mesmo encenador, e é interpretado por Adriano Diouf, Jéssica Ribeiro e Vânia Lopes.
 
“E agora nós”, refere a organização, é “um ‘jogo das perguntas difíceis’, em que é proibido responder sim ou não, e que dá origem à partilha de histórias e memórias vivenciadas pelos atores” e, até ao final do ano, estará em cartaz em mais sete municípios da Artemrede: Alcanena, Almada, Barreiro, Oeiras, Palmela, Santarém e Sesimbra.
 
O Cine-Teatro de Sobral de Monte Agraço acolhe, no dia 22 de maio, o projeto da associação Aqui Há Gato, “Ninhos, teatro para bebés”, de Sofia Vieira.
 
No dia 02 de junho, no Centro Comunitário de Águas de Moura, em Palmela, sobe à cena “Parece um Pássaro”, da associação cultural Addingtroubles, que “conta a história de um menino que encontra um curioso chapéu”.
 
Na área do projeto educativo a Artemrede irá promover, até julho, a oficina de treino vocal “A voz pública”, pelo Teatro O Bando, em Sesimbra, “workshops” de construção de marionetas, em Abrantes e Almada, e quatro oficinas de dança para crianças, “Banquete dançante”, de Marina Nabais, em Almada e Abrantes.
 
Além de Lisboa, a Artemrede é constituída por Abrantes, Alcanena, Alcobaça, Almada, Barreiro, Lisboa, Moita, Montijo, Oeiras, Palmela, Santarém, Sobral de Monte Agraço, Sesimbra e Tomar, “territórios que abrangem uma população de mais de um milhão e trezentas mil pessoas”.