Câmara de Lisboa reduz passivo em 225 milhões para 1.196 milhões em 2014

A Câmara de Lisboa terminou o ano passado com um passivo de 1.195,6 milhões euros, inferior em 224,5 milhões de euros aos 1.420,1 milhões registados no final de 2013, anunciou hoje o presidente do município.
 
A redução foi possível, de acordo com Fernando Medina, devido à "conjugação de múltiplos aspetos" como a "forte contenção de custos" com a rubrica de pessoal -- na sequência das transferências para as Juntas de Freguesia, durante a reforma administrativa -- e com os fornecimentos e serviços externos.
 
Contribuíram ainda as receitas ao nível dos impostos e taxas, que geraram proveitos de mais 55,9 milhões de euros em relação a 2013 (mais 18,7%), adiantou o presidente da autarquia lisboeta, de maioria socialista. As receitas do Imposto Municipal sobre a Transmissão Onerosa de Imóveis (IMT) tiveram um acréscimo de 51 milhões, enquanto as do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) subiram 7,6 milhões.
 
Os proveitos ao nível da Derrama aumentaram 4,4 milhões e os do Imposto Único de Circulação diminuíram 2,7 milhões.