Casa Ermelinda de Freitas quer juntar 180 mil euros para ajudar carenciados

Maria Cavaco Silva, Daniel Sampaio, Jaime Gama, Paulo Bento e Eusébio foram alguns dos convidados da gala solidária promovida pela Casa Ermelinda de Freitas, com o objectivo de angariar cerca de 180 mil euros para idosos e crianças carenciadas.

Iniciado há quatro anos, o projecto "A Vida de Um Vinho" associa a produção e a comercialização de um 'vinho premium', exclusivo da Casa Ermelinda de Freitas, que reverte a favor de instituições como a Cáritas de Setúbal e a União Social Sol crescente da Marateca.
Estas duas instituições serão beneficiárias da venda de 1.500 garrafas de 'vinho premium', a 100 euros cada garrafa, ou a 175 euros, se o vinho for adquirido em conjunto como uma serigrafia do pintor Mário Rocha.
O fim do projecto, desenvolvido ao longo dos últimos quatro anos com a colaboração de dezenas personalidades, foi assinalado na quarta-feira com uma gala solidária que reuniu cerca de duas centenas de pessoas na Casa Ermelinda de Freitas, na localidade de Fernando Pó, concelho de Palmela.
Para a administradora Leonor Freitas, o projecto "A Vida de Um Vinho", que também integrou a candidatura de Palmela a 'Cidade europeia do vinho', poderá ajudar a melhorar a vida de pessoas carenciadas, mas também "ajuda a que a região seja divulgada e à qualidade dos vinhos da região'.
"Este projecto também ajuda à promoção dos vinhos da Península de Setúbal", disse Leonor Freitas, convicta de que a iniciativa também auxilia os produtores da região.
"Há produtores que vão fazendo o seu caminho e que começam a valorizar mais os seus produtos", apontou.
O seleccionador nacional de futebol, Paulo Bento, que também marcou presença na gala solidária, reconheceu a importância deste tipo de iniciativas para ajudar os mais desfavorecidos.
"No momento que atravessamos, mais importante se tornam estas iniciativas, que deviam ser mais frequentes", disse.
"A nossa ideia é fazer reverter esta solidariedade a favor de pessoas que sempre trabalharam a terra, mas que recolheram poucos proventos, e que hoje vivem em condições de vida depauperadas", disse o presidente da Cáritas de Setúbal, Eugénio Fonseca, com esperança no êxito do projecto.