É preciso ter cuidado com a voz

Os programas de prevenção da voz “devem ser iniciados logo na infância”. Um alerta lançado pelo director da Otorrinolaringologia do Hospital Garcia de Orta, Luís Antunes, durante a III Gala de Solidariedade do Dia Mundial da Voz. Uma iniciativa organizada por este serviço com o apoio do Lions Clube Almada-Tejo e da Câmara Almada, no passado dia 16 de Abril, e que encheu os cerca de 800 lugares da sala de espectáculos da Academia Almadense.

Esta iniciativa enquadra-se no programa “Dar voz a quem não a tem”, tendo este ano a receita do espectáculo revertido para Associação AlmaSã - Centro de Educação Especial de Almada (CEEA), instituição que dá apoio a crianças e jovens deficientes com perturbações ao nível da Neuropediatria, Pedopsiquiatria e da Reabilitação pediátrica, nas diversas vertentes da assistência educativa, clínica, de reabilitação, social, cultural e de beneficência.

“É missão do Lions Clube Almada-Tejo presta serviços à comunidade”, frisou José Gaifão, presidente desta organização solidária. Lembrou ainda o apoio financeiro de 5 mil euros que os Jogos Santa Casa da Misericórdia vão dar à Associação AlmaSã. Uma comparticipação que a presidente da associação, Maria dos Prazeres Francisco, considerou importante para alargar o seu trabalho. “Neste momento temos cerca de 100 utentes e olhamos o futuro com alguma preocupação. Precisamos de apoios a curto prazo para criar um centro de actividades ocupacionais”. Trata-se de uma unidade direccionada para utentes adultos, com pais já em idade avançada, que precisam de encontrar uma resposta social.

Actualmente cerca de 70 por cento da população activa utiliza a voz como trabalho, dai que o clínico Luís Antunes aconselhe que “as pessoas devem estar atentas a alguns sinais importantes que não podem ser justificados por uma gripe ou constipação”. É o caso de uma “rouquidão persistente por mais de sete dias ou intermitente mas mantida no tempo”, isto pode ser um “sinal de alerta sobre o desenvolvimento de uma doença mais grave”, alerta.

O clínico lembra ainda que “o fumo do cigarro, o álcool, a cafeína, a poluição, as diferenças bruscas de temperatura, as bebidas quentes e geladas ou o stress, são alguns dos factores que podem prejudicar gravemente a voz”.