Governo garante combustível no Tridente

Pedro Passos Coelho nega ter existido “qualquer restrição” às missões das Forças Armadas e da Marinha Portuguesa. A garantia foi dada hoje, dia 14 de Maio, pelo primeiro-ministro durante uma visita à Base Naval de Lisboa no Alfeite, em resposta sobre notícias que apontavam limitações operacionais para o submarino NPR Tridente, devido ao aumento do preço do combustível.
Alegadamente, as restrições orçamentais a que a Marinha Portuguesa foi obrigada pelo Ministério da Defesa teria obrigado ao corte no combustível para o submarino que foi adquirido à Alemanha, estando este suspenso da maioria das operações militares.
“Nego ter existido qualquer restrição no submarino classe Tridente!”, afirmava o primeiro-ministro, ao mesmo tempo que anunciava que este unidade da Marinha vai partir brevemente para treinos militares a convite dos Estados Unidos da América.
Contudo, Pedro Passos Coelho não perdeu oportunidade para afirmar que as Forças Armadas, tal como o serviço de saúde e educação “não são excepção” às restrições que o país está a fazer. E no caso das Forças Armadas, garantiu que “não está em causa o essencial das suas operações”, e acrescentou que “não faz sentido este clima de alarmismo”.
Com o ministro da Defesa a corroborar Pedro passos Coelho de que as limitações orçamentais não estão a limitar a operacionalidade da Marinha, o Chefe de Estado-maior da Armada, José Saldanha Lopes, lembrou que os cortes que estão a ser feitos “foram previstos no Orçamento”, no entanto a marinha “vai manter a sua prontidão.
E se o preço do combustível “vai obrigar a menos exercícios no mar”, as missões principais “estão asseguradas. Assim, está previsto que o submarino NPR Tridente parta para os Estados Unidos já no próximo dia 28 de Maio para os Estados e regresse a 21 de Agosto.
O primeiro-ministro e o ministro da Defesa visitaram a Base Naval do Alfeite no âmbito das comemorações do Dia da Marinha.
Humberto Lameiras