Oeste espera novo plano da orla costeira para obras de fundo

A costa Oeste a norte de Lisboa é o exemplo da avançada erosão das arribas, agravada pelo último inverno, a que as autarquias estão a responder com pequenas obras à espera de futuras intervenções de fundo.

"No âmbito do novo plano da orla costeira, exorto a que a administração central faça um plano mais arrojado, mais preventivo e que seja capaz de suster alguma voracidade do cimento na orla costeira", disse o vice-presidente da Câmara de Mafra, Joaquim Sardinha, à agência Lusa.

A um mês do início da época balnear em Mafra, Torres Vedras e Lourinhã, as câmaras lutam contra o tempo para terminarem a horas pequenas intervenções que possam minimizar os riscos agravados pelo mau tempo do último inverno, que causou estragos e deixou as arribas mais instáveis.

Contudo, à semelhança das obras concluídas na praia da Calada, o município de Mafra aguarda na Praia do Sul da Ericeira pela intervenção de fundo, iniciada há três anos na arriba, onde parte foi consolidada e protegida por redes para evitar o deslizamento de terras e pedras.

Se a outra parte ficar mais instável e não for sujeita a obras, pode pôr em risco a segurança de pessoas, habitações, cafés e restaurantes.

"É um projeto que já estava previsto anteriormente pela Agência Portuguesa de Ambiente e estará seguramente integrado na nova versão do plano de ordenamento da orla costeira. Temos de estar preparados para as alterações climáticas e para o aumento do nível do mar, daí ser importante que estas intervenções sejam feitas antecipadamente para não andarmos a correr atrás do prejuízo", alertou o autarca, assegurando, no entanto, que "existem condições de segurança nesta praia".

Caso semelhante ao da Praia do Sul é o de Porto Novo, mais a norte, já no concelho de Torres Vedras, onde o município tem vindo a monitorizar de forma regular a erosão das arribas e a fazer derrocadas controladas, devido à existência de um hotel, do lado norte, e habitações e pequenas unidades de alojamento, a sul.

"Aquando da recuperação do próprio hotel, há seis anos, foi instalado um sistema de estacaria em betão, um investimento substancial da empresa. A arriba está consolidada", assegura o vice-presidente da Câmara, admitindo, contudo, que "numa zona de arribas a qualquer altura pode surgir instabilidade provocada pela própria natureza".

À espera há três anos, a autarquia vai avançar, após o fim da época balnear, com obras no valor de 400 mil euros, na requalificação do espaço público, degradado pelo mau tempo do último inverno, e na consolidação da arriba sul, onde um prédio desabitado não tem ordem de demolição por estar a suster a arriba.

Sem edificações por perto, não é menos grave o estado das arribas da praia de Valmitão, na Lourinhã, a carecerem de intervenção que evite derrocadas, como a que ocorreu no último inverno, e acidentes com banhistas durante a época balnear.

"Há cinco anos perdemos a Bandeira Azul nesta praia por questões de insegurança e de instabilidade das arribas. É uma praia de tamanho reduzido" e, devido à altura das arribas, "temos um risco iminente", alertou o vereador Vital do Rosário.

Consciente de que "não existe dinheiro para chegar a todo o lado e é dada prioridade às praias de maior afluência", aguarda por uma intervenção como a que ocorreu na Praia da Areia Branca e que resistiu ao inverno rigoroso, sem pôr em causa a segurança da habitação existente no cimo da arriba.