PSD e CDS de Cascais acusam oposição de subverter regras democráticas

Os presidentes das concelhias do PSD e CDS-PP de Cascais, cuja coligação lidera o executivo municipal, acusaram hoje os partidos da oposição de promoverem um "ridículo institucional" e de "subverterem as regras democráticas" sobre o Plano Diretor Municipal.
 
Num comunicado conjunto assinado por Nuno Piteira Lopes (PSD) e por Frederico Pinho de Almeida (CDS), os partidos que compõe a maioria que lidera a Câmara de Cascais acusam o vereador da CDU Clemente Alves de estar a promover "um verdadeiro ridículo institucional das freguesias do concelho".
 
"A propósito da votação final da proposta de revisão do Plano Diretor Municipal (PDM) de Cascais, os partidos da oposição, a reboque do radicalismo antidemocrático do vereador da CDU, têm forçado a votação de moções nas assembleias de freguesia que tentam vincular e condicionar o voto contra a proposta dos presidentes de junta em sede de assembleia municipal", descrevem.
 
Nuno Piteira Lopes e Frederico Pinho de Almeida sublinham que essas moções "não têm qualquer valor legal" e que se trata de uma "deturpação soviética das regras democráticas e do direito universal de cada homem e mulher livre ao seu voto".
 
"Que seja, a CDU, ao propor esta machadada nos direitos individuais, já não nos espanta. Que o Partido Socialista e o Movimento Ser Cascais pactuem com esta deriva totalitária de quem ainda não se livrou da tralha soviética é que constitui uma assombrosa novidade", referem.
 
Os dois presidentes das concelhias frisaram ainda que as atitudes da oposição são de "mentira, propaganda e truque".
 
O vereador da CDU Clemente Alves rejeitou as acusações dos dois partidos que compõe a maioria.
 
"São mais umas afirmações delirantes. Foram aprovadas moções em três das quatro juntas de freguesias de Cascais (São Domingos de Rana, Carcavelos-Parede e Alcabideche), no sentido de conferir aos presidentes de junta o voto em assembleia municipal que represente a junta que, em assembleia de freguesia, votou contra o PDM", esclareceu Clemente Alves.