Teatromosca inspira-se em vitória no Europeu

Com texto original de Jorge Palinhos e Leïla Anis, dirigida por Pedro Alves e Patrice Douchet, ‘Kif-Kif’ é uma coprodução do Teatromosca, de Sintra, do Théâtre de la Tête Noire e da companhia Terceira Pessoa, de Castelo Branco, que conta com cenografia de Pedro Silva e design gráfico de Alex Gozblau.
Após a estreia em França, a peça ‘Kif-Kif’ será apresentada, no dia 4 de Julho, no Auditório Municipal António Sintra, em Agualva-Cacém, e a 6 de Julho, no Cine Teatro Avenida, em Castelo Branco.
‘Kif-Kif’, que deriva do termo árabe ‘kif’, que poderá significar igual, é a mais recente etapa do projecto de cooperação internacional Ferry-Book, que une o Teatromosca à companhia francesa Théâtre de la Tête Noire, aos quais se junta também, neste momento, a companhia teatral Terceira Pessoa.
Ferry-Book é um projecto que passa pela “criação de relações duradouras” entre estas estruturas de criação e difusão teatral, tendo como base o trabalho que as companhias têm desenvolvido sobre a literatura dramática e a criação teatral contemporânea.
‘Kif-Kif’, que vai contar com a participação de um grupo de 11 jovens portugueses e de 11 jovens franceses, surge depois de, em 2015, o Teatromosca ter estreado em França ‘Fahrenheit 451’, a partir do texto de Ray Bradbury, e de, em Março de 2016, ter acolhido em Portugal a peça ‘Variations sur ‘Hiroshima Mon Amour’, pelo Théâtre de la Tête Noire, inspirado na obra de Marguerite Duras, a que se sucedeu,  também, a apresentação em Sintra do espectáculo ‘The Old Image of Being Loved’, pela Terceira Pessoa.
Orientado para o público juvenil, ‘Kif-Kif’ centra-se na final do Campeonato da Europa de Futebol de 2016, que decorreu em França e que ditou a vitória da selecção portuguesa, depois de uma final disputada com a equipa anfitriã, disse à Lusa fonte do Teatromosca. Na peça, uma equipa portuguesa composta por nove jovens jogadores-actores (não-profissionais), dois jovens profissionais e um treinador-encenador, uma equipa francesa com a mesma composição, e dois árbitros-dramaturgos vão ‘jogar’ uma final em dias mãos.
Para o Teatromosca, é “altamente discutível” que haja “um abismo insuperável” entre teatro e desporto, até porque todo o desporto “pode ser uma forma de drama ou um evento mais ou menos teatralizado”.
‘Kif-kif’ surgiu, segundo o Teatromosca, da ideia traçada pelos dois encenadores de construir um espectáculo a partir de um conjunto de histórias amplamente difundidas nas redes sociais, na sequência da final do Campeonato da Europa de Futebol de 2016, que opôs Portugal à selecção francesa.
Nesse sentido, as companhias desafiaram dois jovens autores para a criação de um conjunto de textos que serão, na sua fase final, urdidos num único corpo textual.
O espectáculo, legendado, será falado nas duas línguas. O projecto colhe influências das teorias do pensador alemão Hans Ulrich Gumbrecht, que tem procurado defender uma comparação entre os eventos desportivos e as artes performativas, baseado na “produção de presença”, acrescenta a companhia com sede em Sintra.
Assim, o espectáculo assenta sobre uma comunicação directa com os seus espectadores, promovida a partir de uma copresença consciente e assumida dos actores e daqueles que assistem.
Ao mesmo tempo, procura-se assumir o ‘Teatro’ como ferramenta fundamental na intervenção social, cultural e educativa junto de um grupo de jovens em risco de exclusão social, com o objectivo de os levar a assumirem a sua cidadania plena.
A peça resulta de um trabalho que o Teatromosca realizou, entre Outubro e Dezembro de 2017, com um primeiro grupo de 15 jovens da Casa Seis, instituição privada de solidariedade social, parceira do projecto, com sede em Mira Sintra.
Deste trabalho resultou a peça ‘Play’, apresentada no Auditório Municipal António Silva e da qual saíram os nove jovens portugueses que vão participar no espectáculo ‘Kif-Kif’.
A cenografia da peça é de Pedro Silva, o design gráfico de Alex Gozblau, a tradução de Thomas Resendes, o vídeo de Ricardo Reis e a fotografia de Catarina Lobo.
Interpretam ‘Kif-Kif’ Filipe Araújo, Ana Gil, Alexandre Servage, Ariane Von Berendt, nove actores portugueses não-profissionais e nove jovens actores franceses não-profissionais.
 
Lusa