Trabalhadores da Carris conseguem tonelada e meia de alimentos para dar a colegas

A Comissão de Trabalhadores (CT) da Carris calculou hoje ter recolhido cerca de tonelada e meia de alimentos na recolha organizada a favor de funcionários da empresa que estão a passar por dificuldades económicas, avançou o coordenador.
O coordenador da CT, Paulo Gonçalves, disse hoje à agência Lusa que, entre segunda e quarta-feira, 50 trabalhadores já recorreram da ajuda da iniciativa, sendo que o número de funcionários a aproveitar o apoio da recolha de alimentos aumentará com o tempo.
“Enquanto os colegas e reformados forem dando alimentos, a comissão vai recebê-los”, garantiu o coordenador, avançando que o desemprego, os cortes salariais, os impostos, e “mais recentemente”, o aumento do desemprego do cônjuge, são os problemas que mais dificuldades têm causado aos trabalhadores da empresa.
Em relação a dezembro passado, quando a CT organizou a primeira recolha de alimentos, os valores mensais perdidos em média por cada funcionário “diminuíram um pouco, devido ao pagamento dos duodécimos”, cifrando-se neste momento entre 200 a 250 euros, quando em dezembro os valores avançados eram de 380 a 400 euros.
O coordenador da CT afirmou também que não existem outras iniciativas agendadas, mas que, “durante o verão”, estão a pensar organizar uma recolha de livros escolares, “de forma a que os colegas que têm tido dificuldades no pagamento da educação dos filhos possam ser ajudados”.
Os alimentos recolhidos estão a ser entregues na Estação de Santo Amaro desde o dia 06 de maio.
Esta é a segunda recolha de alimentos que a CT da Carris organiza, tendo a primeira ocorrido no início de dezembro para proporcionar um “melhor Natal” aos colegas.
A Comissão de Trabalhadores justificou, em comunicado, a necessidade desta iniciativa pelo facto de existirem “casos de fome na empresa” e “colegas que passam vários dias sem tomar uma refeição digna desse nome”, pedindo uma contribuição com alimentos não perecíveis como enlatados, arroz, massas ou azeite.