Farmacêutica Aurobindo Pharma compra portuguesa Generis por 135 milhões de euros

Farmacêutica Aurobindo Pharma compra portuguesa Generis por 135 milhões de euros
A Aurobindo Pharma anunciou hoje a assinatura de um acordo vinculativo, através da sua subsidiária holandesa Agile Pharma, para a aquisição da totalidade da farmacêutica portuguesa Generis, por 135 milhões de euros, revela a agência Bloomberg.
 
Com esta aquisição, através da subsidiária holandesa Agile Pharma, a farmacêutica indiana passa a deter a unidade de produção da Amadora (distrito de Lisboa), com capacidade para fabricar 1,2 mil milhões de comprimidos/cápsulas por ano.
 
Este negócio consolida a presença da Aurobindo em Portugal, que atualmente é composta pela Aurovitas, Unipessoal LDA, pela Aurobindo Pharma (Portugal) e pela Unipessoal Limitada, segundo a Bloomberg.
 
A Generis tem um amplo portfólio de produtos com grande participação nas áreas terapêuticas de cardiovascular, anti-infeciosos e sistema génito-urinário de medicamentos.
 
As operações consolidadas do grupo serão o ‘número 1’ no mercado farmacêutico genérico português e terão a maior carteira de produtos genéricos, composta por 271 produtos.
 
De acordo com a agência de informação financeira, a empresa prevê concluir a transação até ao próximo mês, desde que as autoridades da concorrência autorizem o acordo, não assumindo nenhuma dívida como parte desta transação.
 
O acordo entre a Generis e a Aurobindo ocorre alguns meses depois da oferta mal sucedida desta última pelos ativos da Teva Pharmaceuticals no Reino Unido e na Irlanda, que foram comprados pela rival indonésia Intas, em outubro de 2016.
 
Trata-se da segunda grande aquisição europeia por parte da farmacêutica indiana, depois de a empresa ter planeado a expansão dos seus negócios na Europa, que passará a ser o segundo maior contribuinte para as suas receitas globais depois dos Estados Unidos.
 
De acordo com os números avançados pela administração da empresa, e citados pela Bloomberg, a administração estima que as vendas líquidas que resultarão da concretização do negócio com a farmacêutica portuguesa serão de aproximadamente 72 milhões de euros em 2017, em comparação com os 64,8 milhões de euros no ano anterior.